sábado, 11 de abril de 2009

Crítica de filme (em DVD): The Big Hit (Tiro e Queda)

Um amigo meu queria comprar o filme The Big Heat de Fritz Lang, lançado em 1953 e acabou errando "por pouco" e adquiriu The Big Hit (Tiro e Queda) de Kirk Wong, lançado em 1998. Acabei pegando emprestado para ver o tal filme errado, que é estrelado por Mark Wahlberg (logo após Boogie Nights), Lou Diamond Philips e Christina Applegate.

The Big Hit é um filme de tiroteios insanos, stunts inacreditáveis e explosões absurdas, tudo isso envolvido numa atmosfera de comédia louca, mas com algum tipo de inteligência. Tudo bem no estilo John Woo em começo de carreira (que, não por acaso, é o produtor), e filmes orientais do gênero.

Melvin (Mark Wahlberg) e Cisco (Lou Diamond Philips) são parte de um quarteto de assassinos de aluguel, empregados por um poderoso chefão chamado Paris (Avery Brooks). Mel é o bandido bonzinho, explorado pelos colegas de profissão, pela mulher e pela amante (que o trai com um tipo latino dos mais estereotipados). Quando Cisco convence Mel de ganhar "um por fora", trabalhando no sequestro de Keiko Nishi (China Chow), filha de um milionário oriental falido, sua vida mais ou menos pacata desaba. Acontece que Keiko é a afilhada de Paris e o chefão não fica muito feliz com o sumiço da garota. Não sabendo que foram seus próprios empregados que a sequestraram, ele manda Cisco investigar e o vigarista tenta, de toda forma, acusar seus comparsas.

Não levava a menor fé no filme mas ele diverte muito. Muito mesmo. As cenas de ação extremamente exageradas são uma espécie de "comentário" malicioso das cenas de ação dos "filmes de ação" atuais. De tão inacreditáveis, elas são muito engraçadas, sem deixar de serem genuinamente bacanas e ágeis. Keiko é a típica oriental-fetiche, pois é sequestrada saindo do colégio e, portanto, vestindo aquela blusinha branca de botões com uma sainha plissada xadrez. Excelente! 

O pai de Keiko, Jiro, faliu pois resolveu produzir (e dirigir!) um blockbuster de Hollywood, que, obviamente, foi um fracasso. Mel é também perseguido pelo balconista de sua locadora de vídeo que toda hora liga pedindo que ele devolva o VHS de King Kong Lives que está com Mel há mais de 2 semanas. Enquanto isso, o filme (que, para quem não viu, é horroroso) foi furtado pela amante de Mel, já que seu amante latino adorou o filme.

Muita loucura, muita bobagem, muito tiro, muitas perseguições e muita, muita diversão! Não há porque não gostar desse filme.

Nota: 7 de 10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pensem antes de escrever para escreverem algo com um mínimo de inteligência. Quando vocês escrevem idiotices, eu apenas me divirto e lembro de Mark Twain, que sabiamente disse "Devemos ser gratos aos idiotas. Sem eles, o resto de nós não seria bem sucedido."