domingo, 16 de maio de 2010

Crítica de filme: Robin Hood (2010)

Robin Hood é um daqueles personagens lendários que todos acham que existiu. Mas ele é apenas isso, um lenda nascida por volta do século XV na Inglaterra. Todos nós o conhecemos como o aristrocrata que perdeu suas terras ao decidir se bandear para o lado dos fracos e oprimidos e arregimentou um pequeno exército para assaltar os nobre na floresta de Sherwood.

Talvez a imagem mais conhecida de Robin Hood no cinema seja a de Errol Flynn, com aquela ridícula roupa colante verde, conforme mencionei aqui.

Mais "recentemente", em 1991, Kevin Costner estrelou um bom filme que, porém, alterava bastante a lenda estabelecida. Naquele filme, porém, tivemos que aturar aquela música do Baianadas, ops, Bryan Adams, que nem gosto de lembrar...

Agora, foi a vez de Ridley Scott e seu ator favorito, Russel Crowe, tentarem a sorte com o galante ladrão que rouba dos ricos para dar aos pobres. Mas Ridley Scott é mais esperto que isso e, no lugar de contar pela enésima vez a mesma coisa, afinal Robin Hood já apareceu em dezenas de filmes, séries de TV e desenhos animados, decidiu fazer uma espécie de prelúdio. Sem estragar nada, o filme acaba no momento em que a lenda como a conhecemos começa e isso torna o filme bem mais interessante.

Russel Crowe vive o papel de Robin Longstride, arqueiro do exército de Ricardo Coração de Leão,  Rei da Inglaterra (Danny Huston). O Rei, completamente falido, resolve, em seu caminho de volta das custosas Cruzadas, saquear tudo quanto é castelo na Europa. O filme abre com a tentativa de invasão de um pequeno castelo e o resultado é dramático: o rei é morto. Essa mudança é considerável pois toda a lenda de Robin Hood se baseia na lealdade de Robin ao Rei, contra seu irmão malvado o Rei João. Assim, com a morte do rei, Robin e um grupo de amigos (incluindo Will Scarlet - Scott Grimes - e Little John - Kevin Durand) tentam voltar correndo para a Inglaterra mas se deparam com uma emboscada e Robin acaba tomando a identidade de Sir Robert Loxley (Douglas Hodge). Assim, ele chega à Inglaterra do fim do século XII como um nobre, já casado com Lady Marion Loxley (Cate Blanchet) pois o pai de Robert, Walter (Max von Sydow),  pede para Robin tomar o lugar do filho. Como se essa confusão toda não bastasse, a França está próxima a invadir a Inglaterra e os nobres ingleses, oprimidos pelos altos impostos pagos pela coroa, têm sua lealdade dividade.

Em suma, esse Robin Hood não tem nada do Robin Hood que conhecemos e estamos acostumados e isso pode fazer as pessoas torcerem o nariz para o filme. Talvez por isso ele tenha recebido críticas tão negativas. No entanto, eu as considero injustas pois Ridley Scott consegue, mais uma vez, fazer um filme épico muito eficiente que empolga o espectador, apesar de não ser tão espetacular quanto Gladiador. Fica mais ou menos na mesma linha de Kingdom of Heaven (a versão do diretor). Acho que a mudança total na fórmula padrão do Robin Hood que conhecemos foi o grande trunfo do diretor, ainda que, no final das contas, fique aquela impressão que o diretor quis fazer um novo Gladiador.

E, de fato, Gladiador e Robin Hood carregam muitas semelhanças, especialmente a tentativa de Scott de inserir personagem fictício dentro de fatos históricos (pelo menos segundo o próprio diretor pois Ricardo Coração de Leão não morre da maneira que o filme mostra, mas isso é detalhe). O que Scott faz como nenhum outro, é trazer para vida mundos diferentes, seja no passado, no futuro e em fantasias. Foi assim em Gladiador, Blade Runner, A Lenda, Os Duelistas e tantos outros. Os detalhes das cidades grandes e vilarejos em Robin Hood são sensacionais e a fotografia é belíssima.

As cenas de batalha, então, são na linha de Gladiador mas sem a mesma grandiosidade. Isso não é um ponto negativo, apenas uma constatação. Por mais que alguns queiram dizer, apesar das semelhanças com Gladiador (a presença de Russel Crowe nos dois filmes é fator chave para se achar isso), são duas obras bem diferentes. É evidente que Scott empresta sua marca ao filme mas não se pode chamar de um filme genérico. Ele tem pulso e personalidade. Vale muito ser apreciado em tela grande, especialmente a batalha final nos penhascos da costa da Inglaterra.

O filme tem seus momentos arrastados, especialmente no miolo e Scott também nos apresenta a personagens demais que são importantes para a trama. Isso acaba confundindo um pouco e tirando o foco da luta dupla de Russel Crowe para salvar a Inglaterra dos franceses e para pegar o grande vilão do filme, Godfrey, vivido pelo ótimo Mark Strong, também vilão em Sherlock Holmes.

Nota: 8 de 10

2 comentários:

  1. Amei ese filme. Gladiador é meu filme preferido dele. Este ator nos deixa outro projeto de qualidade, de todas as suas filmografias essa é a que eu mais gostei, acho que deve ser a grande variedade de talentos. Sinceramente os filmes de ação não são o meu gênero preferido, mas devo reconhecer que The Nice Guys filme superou minhas expectativas. Adorei está história, por que além das cenas cheias de ação extrema e efeitos especiais, realmente teve um roteiro decente, elemento que nem todos os filmes deste gênero tem.

    ResponderExcluir
  2. Watch robin hood 2010 full movie free click https://365movies.is/tag/zmovies watch now. Bottom line is, that this movie was a waste of time. Maybe not AS big a waste as Avatar, but a waste nonetheless. I couldn't hear what the characters were saying, there were too many long talking scenes, the battles were confusing as to who was fighting who and why. The best moments in the movie where 1. when you can see the arrow leaving Robin Hood's bow in extreme slow motion, and 2. when the King screams in the weirdest way possible, "I declare him to be an OUTLAAAAAW!!" (It still cracks me up). Other than that, this movie is not worth seeing. It just doesn't work. Click https://365movies.is/tag/losmovies/ watch movies free now.

    Russell Crowe seems to fat, too old, and too uninteresting to present a romantic or convincing Robin Hook to the screen. He tries to pull it off like an athletic shot-putter in what should be a ballet. Robin Hood should not be played like a gladiator. Gee, Sly Stallone could do same ( just as bad a job) as Crowe did for 10% of Russell's pay!The producers should have signed someone 20 years younger. .

    See more: http://moviesbox.live/robin-hood-2018-review.html

    I'm surprised by the performance of Academy Award Winners Ridly Scott, Cate Blanchett, and Russell Crowe. This movie is a disgrace to them. I have 3 reasons why this movie is bad. 1. Very boring 2. Has stuff that the watcher doesn't need to know about 3. A Disgrace. I got so flicked off at the end of the movie i just wanted to go up on the screen and tear it down. This movie felt like it was 5 hours long!!! I wasn't the only one asleep. I heard someone snoring in the front seat of me. It about a person who fights and becomes a hero and later his name turns in to Robin Hood. Come on actors/actresses try again! I'll give this a 2/10

    See more: http://moviesbox.live/robin-hood-cast.html

    ResponderExcluir

Pensem antes de escrever para escreverem algo com um mínimo de inteligência. Quando vocês escrevem idiotices, eu apenas me divirto e lembro de Mark Twain, que sabiamente disse "Devemos ser gratos aos idiotas. Sem eles, o resto de nós não seria bem sucedido."